Laudo revela que acusada de matar ex a facadas no ato sexual é sociopata

31/05/2016 às 10h05

A jovem Vania Basília Rocha, acusada de ter matado o ex-namorado a facadas durante o ato sexual, foi classificada como sociopata nos laudos médicos divulgados pelo Tribunal de Justiça de Rondônia (TJ-RO). Segundo o judiciário, o resultado baseia-se no exame de sanidade mental realizado em Vilhena(RO), que apontou transtorno de personalidade antissocial, ou seja, sociopatia. Mesmo com o resultado, o TJ diz que Vania não pode ser isenta de responder pelos atos judicialmente, pois "apresentou plena capacidade de entender o caráter criminoso do fato". Vania  também deverá fazer acompanhamento psiquiátrico por recomendação médica.

Vania, que completou 19 anos em janeiro, confessou ter matado o ex-namorado no fim do ano passado, Marcos Catanio Porto: "Queria matar alguém. Fiquei olhando olho no olho até ele morrer", disse ela ao G1 na época. Segundo laudo do Instituto Médico Legal (IML), o ex-namorado da jovem foi morto com 11 facadas. A acusada está presa atualmente no presídio feminino de Vilhena.

 

A avaliação que traçou o perfil psicológico da suspeita foi feita por um médico psiquiatra no dia 1° de abril e por um médico perito legista oficial, lotado na Delegacia de Polícia Civil de Vilhena, no dia 13 do mesmo mês.

Conforme o TJ-RO, embora o laudo aponte o transtorno, Vania "apresentou plena capacidade de entender o caráter criminoso do fato. Entretanto, a capacidade de determinação era reduzida ao tempo da ação, de modo que é imperioso o reconhecimento de sua semi-imputabilidade, com o prosseguimento do feito e em caso de eventual condenação, submetê-la a tratamento adequado".

Em entrevista, o defensor público de Vania, George Barreto Filho, comentou sobre o resultado. "O caso ainda está na fase de investigação. Se apresentarmos apenas a tese de doença mental, a sentença poderá ser decidida pelo magistrado presidente, sem precisar ir necessariamente para o Tribunal do Júri", informou o defensor público do caso, George Barreto Filho.

A defesa informou que, com o laudo divulgado só agora, existe a possibilidade da pena de Vania ser diminuída em até dois terço.

A recomendação do perito do juízo é que seja feito um acompanhamento psiquiátrico e psicológico, visto que Vania apresenta risco a terceiros. Com isso, é requerido vigilância e tratamento indicado pelo profissional da psiquiatria.