Suspeito de chefiar chacina no Urso Branco é assassinado com mais de dez tiros

20/02/2016 às 09h02

Um homem conhecido como ‘Birrinha’, um dos suspeitos que, em 2004, teria chefiado uma das maiores matanças de presos dentro do presídio Doutor José Mário Alves (o Urso Branco), em Porto Velho, foi assassinado a tiros, aos 36 anos, na tarde desta sexta-feira (19), na Zona Leste da capital rondoniense. Segundo a polícia, ele seguia de carro, com a esposa e um filho, para se apresentar no presídio, depois de sete dias de liberdade por indulto, quando foi atacado a tiros por três homens. Os suspeitos fugiram sem ser identificados.

O crime aconteceu nas imediações da Rua Assis Chateaubriand, próximo a uma escola, no bairro Teixeirão. Os criminosos teriam efetuado pelo menos 15 tiros, destes, cerca de 10 teriam acertado o apenado, segundo informou um policial militar.

A esposa, que, de acordo com a Polícia Militar, já foi presa anteriormente, e o filho da vítima, não foram atingidos pelos tiros.

Policiais militares que atenderam a ocorrência dizem que, no carro em que ‘Birrinha’ estava, teria sido encontrada uma grande quantidade de munição. Nenhuma arma foi apreendida. O veículo usado na perseguição pelos atiradores, que também foi abandonado no local, possui registro de roubo. "Eles roubaram o carro para executar o crime sem deixar pistas", avaliou um policial que não quis se identificar.

A perseguição ao carro do apenado teria começado na Rua Quatro, a cerca de cinco quilômetros do local onde ele foi executado. A esposa de ‘Birrinha’ era quem estava ao volante e tentou fugir dos atiradores.

Ao tentar pegar uma rua mais estreita, o veículo foi colidido pelo dos atiradores e acabou batendo contra um muro. O apenado ainda teria tentado correr quando foi alvejado na cabeça. Em seguida os criminosos se aproximaram e efetuaram vários outros disparos. Após o crime, o trio pulou um muro e fugiu a pé, rumo ao bairro Escola de Polícia.

Além da chacina do Urso Branco, informou um PM, ‘Birrinha’ é apontado como autor de vários homicídios, alguns por motivos fúteis.